Invictus

Invictus

Saindo da noite que me cobre,
Negra como um fosso, de ponta a ponta,
Eu agradeço a qualquer Deus que seja,
Pela minha alma inconquistável.

Na cadência da engrenagem das circunstâncias,
Eu não me dobrei, nem chorei para que escutassem.
Sob a violência da sorte,
Minha cabeça sangra erguida.

Além deste lugar de ira e lágrimas,
Avulta tão somente o horror das trevas,
E ainda a ameaça dos anos,
Encontra, e irá encontrar-me, desprovido de medo.

Não importa o quão estreito seja o portão,
Ou quantas punições venham com a sentença,
Eu sou o senhor do meu destino.
Eu sou o capitão da minha alma.

William Ernest Henley (Invictus- 1875)

0 Responses to “Invictus”



  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: